Espermatozoides artificais são criados em laboratório

Biólogos buscavam induzir a formação de espermatozoides em cultura de células ao longo de décadas. T. Ogawa

Pesquisadores japoneses fizeram espermatozoides de mamíferos férteis em um prato de cultura, uma façanha que se pensava ser impossível. A técnica, informada na Nature, dia 23/03/2011, poderia ajudar a revelar os passos moleculares envolvidos na formação do esperma e pode até levar a tratamentos para infertilidade masculina.

Os biólogos têm tentado fazer o espermatozoide fora do corpo por quase um século. A falha tem frequentemente atingido a fase da meiose, um tipo de divisão celular, durante o qual pares de cromossomos de DNA e do número de cromossomas por célula é dividido por dois. O resultado deste processo é espermatozoides prontos para fundir-se com um óvulo.

Takehiko Ogawa e colegas em Yokohama City University, descobriram que a chave para a obtenção de espermatozoides através da meiose, estava em uma simples mudança de condições de cultura padrão.

“O relatório é muito emocionante, pois representa o cumprimento de uma meta defendida por muitos biólogos reprodutivos durante muitos anos”, diz Mary Ann Handel, uma especialista em genética reprodutiva no Laboratório Jackson em Bar Harbor, Maine.


Um choque cultural

Por tentativa e erro, a equipe de Ogawa trabalhou quais métodos de culturas que permitiram espermatozoides em fragmentos de tecido de testículos de rato neonatal amadurecer. Para acompanhar o desenvolvimento dos espermatozoides, eles usaram uma proteína fluorescente que marcou células em – ou que sofreu – a meiose.

Inicialmente, os pesquisadores colocaram os fragmentos em um gel embebido em soro fetal bovino, um ingrediente típico das culturas de células. Mas nada acrescentaram a esta mistura que funcionou, nem mesmo os fatores conhecidos para estimular a maturação do espermatozoide.

O sucesso do autor veio quando substituiu o soro fetal bovino por um soro, que é frequentemente usado para cultivar células-tronco embrionárias.

Depois de várias semanas a banhar-se nessa mistura, quase todas as amostras de tecido continha algumas células com o mesmo número de cromossomos encontrados no esperma. Quase metade das amostras continham células com flagelos, projeções em forma de cauda que os espermatozoides usam para nadar. A formação dos espermatozoides alcançou um pico após aproximadamente um mês, embora tenha durado mais de dois meses.

Os pesquisadores injetaram o esperma em óvulos. Poucas semanas depois, os óvulos geraram uma dúzia de filhos vivos, férteis. A equipe também reviveu o esperma de tecido testicular neonatal que tinham sido congelados por vários dias ou semanas.

Uma questão de tempo

Ali Honaramooz, um biólogo reprodutivo da Universidade de Saskatchewan em Saskatoon, no Canadá, diz que a técnica poderia ajudar os meninos pré-púberes, prestes a passar por terapias contra o câncer que destrói a fertilidade. Ele também pode proteger o potencial reprodutivo dos animais em extinção que poderiam morrer antes de atingirem a maturidade sexual, acrescenta.

O procedimento também será útil para estudar os eventos moleculares subjacentes à produção de esperma, diz Martin Dym, um biólogo celular da Universidade de Georgetown em Washington DC. Mas antes que a técnica possa ser usada em tratamentos para a infertilidade masculina, os investigadores terão de gerar milhões de espermatozoides e adaptar o trabalho para o homem, Dym acrescenta.

Honaramooz diz que é apenas uma questão de tempo. “Se a mesma metodologia pode ser aplicada, com pequenas alterações, para outras espécies, isso é ótimo”; diz ele. “Se não, então, seriam necessários quase a mesma quantidade de trabalho; mas pelo menos agora você sabe que, eventualmente, essa metodologia vai funcionar.”

Fonte: Nature

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s