Crise econômica pode tirar Brasil do ESO

Com a economia quebrada Brasil pode ficar fora do projeto ESO (Observatório Europeu do Sul), com os megatelescópios instalados no Chile…

NUPESC

Apesar de a entrada brasileira no Observatório ter sido aprovada no Congresso, Dilma ainda não ratificou o acordo que libera R$ 1,2 bilhão

Devido à crise financeira, o Brasil pode ficar de fora do ESO (Observatório Europeu do Sul), grupo de 15 países que opera telescópios no deserto do Atacama, no Chile. A presidente Dilma Rousseff ainda não ratificou o acordo que libera 270 milhões de euros (quase R$ 1,2 bilhão) em parcelas anuais, até 2021, para que o País se torne membro.

Modelo computadorizado do E-ELT, que terá mais de 80 metros de altura e um espelho de 39 metros de diâmetro / ESO/L. Calçada

Convidado oficialmente em 2010, o Brasil passou a discutir com o ESO a forma de se tornar o primeiro país não-europeu do grupo. No ano passado, a Câmara dos Deputados e os senadores aprovaram a entrada na organização. O projeto, no entanto, esbarrou em Dilma, que ainda não sancionou.

O Brasil passa por uma grave crise e Dilma precisa cortar custos. Boa parte da comunidade científica, especialmente…

Ver o post original 775 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s