DESIGN INTELIGENTE NÃO REPRESENTA UM DESAFIO CIENTÍFICO PARA A EVOLUÇÃO.

O conceito design inteligente (di) não só não é científico como é assumidamente uma postura religiosa cristã e faz uso de uma roupagem para travestir o seu conteúdo criacionista. Por esta razão o design inteligente segue marginalizado e assim será dada a amplitude de seu fundamentalismo religioso em um mundo secularizado. A ciência vence em todos os aspectos!

O design inteligente não representa um desafio científico. Historicamente as raízes deste movimento estão na metafísica cristã, buscando no que está além da natureza (na aletheia) uma forma de conhecê-la.

O bioquímico Michael Behe, cujo testemunho ficou proeminente no julgamento de Dover em 2005. Ted Davis atrás de Behe.

O movimento do design inteligente surgiu na década de 80 como uma manobra criacionista elaborando uma máscara de “ciência” para uma defesa fundamentalista da leitura literal do livro de Gênesis. Apesar de existir pessoas com formação em diversas áreas e que adotam esta postura religiosa, ela não é aceita como ciência porque não respeita e não preenche aspectos básicos da filosofia da ciência e da metodologia científica. Geralmente os adeptos desta doutrina usam o argumento de autoridade (ser formado em uma área) para tentar validar uma crença religiosa.

A única representatividade que o movimento possui é por arrebanhar pessoas nas…

Ver o post original 3.321 mais palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.