Arquivo da categoria: Livros e Ebooks

Estamos vivendo numa era de inovação digital disruptiva

disruption-technologiesTecnologia disruptiva ou inovação disruptiva é um termo descrevendo a inovação tecnológica que utiliza uma estratégia “disruptiva” – para derrubar uma tecnologia ou prática existente e dominante no contexto onde estas se encontram. Disrupção é uma ruptura que surge como uma onda e cresce ao ponto de afetar dramaticamente qualquer produto ou serviço que poderá ser superado ou substituído por essa tendência.

A internet é o ambiente cuja inovação disruptiva tem sua origem

Com o aumento da velocidade dos links (conexões) de dados que chegam aos dispositivos conectados: sejam TVs digitais, Smartphones, Tablets, relógios inteligentes e aparelhos com internet embutida – os chamados IOTs (Internet of things – internet das coisas). As práticas (usos), os produtos e os serviços ofertados podem ser explorados livremente e independente de qualquer controle que antes era imposto por governos ou empresas que já atuavam nesse meio.

Exemplos de tecnologias disruptivas

Serviços

Buscador Google: busca com eficiência as informações submetidas.

Blogs: sistemas em formato de sites que possibilitam a publicação ou divulgação de informações; são gratuitos e já superam os principais sistemas de jornalismo e revistas digitais.

Redes Sociais: Facebook, Google+, Flicker, Instagran, Pinterest, etc.

Netflix: domina o streaming (fluxo contínuo de vídeo), oferece um serviço cujo preço é esmagador perto de outros canais digitais equivalentes como as TVs a cabo. No Brasil o preço da assinatura custa hoje R$ 19,90 mensal.

WhatsApp: chat em tempo real para tablets e smartphones.

Uber: é um produto e ao mesmo tempo um serviço de carona (acessado por meio de um aplicativo), cujos usuários chamam um carro particular para leva-los onde desejarem, tendo qualidade e em algumas praças, oferecem preços mais baixos do que os de taxis comuns encontrados nas principais cidades.

AirBnb: serviço de aluguel de hotéis que negocia o hotel ou pousada diretamente com o usuário por meio de um aplicativo.

Spotify: aplicativo que oferece milhões de músicas gratuitas, com a possibilidade de fazer coletâneas e compartilhar livremente nas redes sociais.

Wikipédia: um projeto de enciclopédia coletiva universal e multilíngue estabelecido na Internet sob o princípio wiki. A Wikipédia tem como objetivo fornecer um conteúdo reutilizável livre, objetivo e verificável​​, que todos possam editar e melhorar.

Ebooks: livros digitais que poder ser baixados livremente, tendo opções gratuitas e pagas.

Coursera: cursos gratuitos online para formação profissional e universitária, utilizam o método Curso Online Aberto e Massivo, do inglês Massive Open Online Course (MOOC), é um tipo de curso aberto ofertado por meio de ambientes virtuais de aprendizagem, ferramentas da Web 2.0 ou redes sociais que visam oferecer para um grande número de alunos a oportunidade de ampliar seus conhecimentos num processo de co-produção.

Produtos

Tesla Motors: carros elétricos e baterias residenciais ligadas a painéis solares.

Google e seus robôs e carros autônomos.

Apple com uma enorme variedade de produtos agregados.

Drones civis e militares que executam as mais diversas funções. Ex: robôs autônomos da Amazon para movimentar produtos em seus armazéns.

Intel e a IoT (Internet of Things – internet das coisas). Pretende conectar todo tipo de objetos como: óculos, copos, cafeteiras, camisetas, etc., na internet.

As tecnologias disruptivas vieram para ficar e os maiores beneficiários são os usuários que têm à sua disposição incontáveis opções de escolha com toda a liberdade que somente a internet pode oferecer.

Alguns exemplos de produtos que estarão em uso até 2020.

Amazon warehouse robots (Robôs no armazém da Amazon)

Humanoid Robots in Action (Robôs humanoides em ação) DARPA

Carros autônomos do Google

Korea Humanoid Robot (Robô humanoide da Coreia)

Fonte: TI Especialistas

Fonte: Wikipedia 

Fonte: Tec Hoje 

Archaeology, Anthropology, and Interstellar Communication (Arqueologia, Antropologia e Comunicação Interestelar)

archaeology_anthropology_and_interstellar_communication-cover

Clique na foto e baixe o livro no formato Epub. (Divulgação).

Dirigindo-se ao campo que tem sido dominado pelos astrônomos, físicos, engenheiros e cientistas da computação, os colaboradores desta coletânea de estudos levantam questões que foram negligenciadas pelos cientistas físicos sobre a facilidade de estabelecer uma comunicação significativa com uma inteligência extraterrestre. Estes estudiosos estão abraçados com alguns dos enormes desafios que a humanidade irá enfrentar se for detectado um sinal rico em informações que emana de outro(s) planeta(s).

Ao esboçar sobre as questões que estão no centro da arqueologia e da antropologia contemporânea, podemos nos preparar para o contato com uma civilização extraterrestre, esse dia pode estar situado em um curto espaço de tempo. “Douglas A. Vakoch”.

Para ler livros em Epub é necessário baixar este leitorAdobe Digital Editions (principalmente para Macs e PCs)” – com versões para todos os sistemas operacionais.

Fonte: Nasa

ZMOT – Conquistando o Momento Zero da Verdade

ZMOT

Clique para ler o livro diretamente – PDF. (Divulgação).

Este é um importante E-book (livro digital) que trata como o Marketing influencia nossas decisões de compra nos diversos segmentos sociais e nas várias fases de nossas vidas, principalmente no momento presente da sociedade da hipercomunicação.

ZMOT – Zero Moment of Truth (momento zero da verdade). O momento zero da verdade influencia quais marcas entram na lista de compras, onde os compradores preferem comprar e com quem podem compartilhar os resultados. Cabe a nós entrar nessa conversa neste novo momento em que as decisões são tomadas e fornecer as informações pelas quais os compradores estão ávidos de todas as maneiras.

Alguns assuntos tratados no livro

  • A jornada da decisão de compra mudou. O ZMOT é um novo acréscimo vital ao processo clássico de três etapas de estímulo, prateleira e experiência.
  • O que foi uma vez uma mensagem agora é uma conversa. Os compradores hoje encontram e compartilham suas próprias informações sobre produtos de sua própria maneira, em seu próprio tempo.
  • O boca a boca está mais forte do que nunca. Pela primeira vez na história da humanidade, o boca a boca é um meio arquivado digitalmente.
  • Nenhum MOT (moment of Truth – momento da verdade), é pequeno demais. Se os consumidores pesquisarão na Internet desde casas até assistência médica, eles também o farão com band-aids (curativos) e canetas esferográficas.
  • Os MOTs estão se encontrando. Nossos dispositivos móveis são máquinas de MOT.
    Conforme o uso de smartphones (dispositivos de comunicação inteligentes) cresce, os momentos zero, primeiro e segundo da verdade estão convergindo.

Créditos: Google

O PODER DO MITO, de Joseph Campbell (1988, 360 min) [Legendas em Português]

Download: O poder do mito – PDF: Fonte: http://libgen.org/

Download: O poder do mito - Epub: Fonte: http://lelivros.ninja/

Download: O poder do mito – Epub: Fonte: http://lelivros.ninja/

O que são mitos? Segundo a Wikipédia: um mito (do grego antigo μυθος, translit. “mithós”) é uma narrativa de caráter simbólico-imagético, relacionada a uma dada cultura, que procura explicar e demonstrar, por meio da ação e do modo de ser das personagens, a origem das coisas (do mundo; dos homens; dos animais; das doenças; dos objetos; das práticas de caça, pesca, medicina entre outros; do amor; do ódio; da mentira e das relações, seja entre homens e homens, homens e mulheres e mulheres e mulheres, humanos e animais; enfim, de qualquer coisa fantasiosa que seja).

Joseph Campbell, foi um estudioso que dedicou toda a sua vida ao estudo dos mitos e sua relação com as culturas, religiões, sociedades e, principalmente ao mito como uma verdade “o imaginário coletivo”.

Em nossa cultura atual, não importa em que ponto do planeta estejamos, o mito ainda é aceito como uma verdade causando dúvidas e equívocos tanto na vida cotidiana das pessoas como no contato com a realidade.

Em pleno século XXI o mito continua presente e profundamente arraigado nas crenças e tradições humanas, gerando sofrimentos, conflitos e fazendo da mente uma prisão cuja única saída é a superação do mito em troca da profunda liberdade interior. A aquisição da consciência plena somente é possível através da profunda compreensão do mito.

Segue a entrevista completa de Joseph Campbell no programa do jornalista americano Bill Moyers em 1988:

1º EPISÓDIO – A Mensagem do Mito

2º EPISÓDIO – A Saga do Herói

3º EPISÓDIO – Os Primeiros Contadores de Histórias

ARCHIVE.ORG

4º EPISÓDIO – Sacrifício e Felicidade

ARCHIVE.ORG

5º EPISÓDIO – O Amor e a Deusa

ARCHIVE.ORG

6º EPISÓDIO – Máscara da Eternidade

ARCHIVE.ORG

Créditos: A casa de vidro 

Esquerda e Direita – Murray N. Rothbard (Ebook)

Clique na imagem para Download em Epub.

Clique nesta imagem para Download em Epub.

Para muitos que percorreram suas páginas, este livro acabou sendo o divisor de águas para um novo entendimento. A corrente dominante sempre tentará resumir a classificação dos sistemas na dicotomia esquerda/direita. A direita seria a defensora da liberdade econômica e do militarismo, enquanto a esquerda seria favorável ao socialismo e a paz. Murray N. Rothbard afirma que esta divisão, além de incoerente, não encontra respaldo na história das ideias. E Rothbard vai além ao afirmar que, tradicionalmente, a direita foi partidária da elite reacionária e do status quo (situação atual), ao passo que a esquerda historicamente esteve do lado do progresso, da liberdade e da paz. Estes papéis se inverteram de acordo com a época e o país em questão. No entanto, nestas reviravoltas, a coerência intelectual destes paradigmas ficou confusa ou se perdeu completamente. A visão ampla de Rothbard abre os olhos de seus leitores.

Ela pode libertá-lo do paradigma dominante. Porém, o principal objetivo de Rothbard é fornecer uma lente completamente nova e ideologicamente consistente através da qual enxergar a história e os acontecimentos atuais.

Fonte: Lêlivros

Our Mathematical Universe (Nosso Universo Matemático)

Our Mathematical Universe

Clique na capa do livro para fazer o Download em Epub. (Divulgação).

Max Tegmark nos leva em uma viagem surpreendente através de passado, presente e futuro, e por meio da física, astronomia e matemática que são a base do seu trabalho, mais particularmente a sua hipótese de que a nossa realidade física é uma estrutura matemática em sua teoria final do multiverso. Numa combinação deslumbrante de ciência popular e inovação, ele não só nos ajuda a compreender suas teorias, muitas vezes incompreensível, mas também compartilha conosco alguns dos mais surpreendentes triunfos e decepções que moldaram sua vida como um cientista. Fascinante do primeiro ao último parágrafo, este é um livro que já chamou a atenção e admiração de alguns dos cientistas e matemáticos mais proeminentes.

Max Tegmark é autor ou coautor de mais de 200 trabalhos técnicos, doze dos quais foram citados mais de 500 vezes. Ele tem destaque em dezenas de documentários científicos. É Ph.D pela Universidade da Califórnia, em Berkeley, e também professor de física no MIT.

Fonte: Kikass.to

Comunicação Científica – Alicerces, Transformações e Tendências – Cristina Marques Gomes

Documentação cintífica

Clique na capa do livro para acesso direto online em PDF. (Divulgação).

Introdução

O presente livro nasce do referencial teórico da minha Tese de Doutorado intitulada “Comunicação Científica: Cartografia e Desdobramentos” defendida em 2012 no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP-Brasil) com o acolhimento do Programa Doutoral em Tecnologias e Sistemas de Informação da Escola de Engenharia da Universidade do Minho (UMinho-Portugal) e o financiamento da Fundação para a Ciência e Tecnologia de Portugal (FCT) (Bolsa de Investigação no âmbito do Quadro de Referência Estratégica Nacional – QREN – Programa Operacional Potencial Humano – POPH – Formação Avançada, comparticipado por fundos nacionais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior – MCTES – e pelo Fundo Social Europeu) – e do Programa Erasmus Mundus External Cooperation Window – Projecto ISAC – Improving Skills Across Continents coordenado pela Universidade de Coimbra (Portugal).

A temática da comunicação científica (abreviada de “CC”, ao longo do livro) sempre me instigou, por sua complexidade e por perpassar, de forma holística, todas as disciplinas. É, por assim dizer, uma área transversal que envolve, no sentido prático, diversos “atores sociais”, tais como, as agências de fomento às pesquisas, bibliotecas, editoras, os próprios investigadores, etc, e, na ótica conceitual, certa “visão epistemológica” da ciência em Portugal, no Brasil ou em qualquer outro lugar do mundo. A CC é, portanto, como se fosse “de todos” e, ao mesmo tempo, de “ninguém”, ou seja, apresenta estudos dispersos provenientes de diferentes matérias e por isso carece de sistematização e organização, tanto em termos históricos como teóricos. Esse livro caminha, por consequência, nessa perspectiva. Busca apresentar ao leitor um panorama geral dos principais alicerces, transformações e tendências da comunicação científica revelando, concomitantemente, o que existe de mais importante na literatura internacional sobre o tema. É indicado ao sujeito curioso e aos pesquisadores de qualquer área servindo de texto-base1 – e de uma espécie de “guia” com apontamentos diversos nas inúmeras notas de rodapé presentes na obra – para os especialistas que, a partir daqui, poderão aprofundar diversos assuntos. Justifica-se, também, nessa linha e no sentido contemporâneo da CC, a deliberação por uma publicação de caráter aberto – formato de ebook – por uma Editora especializada em Comunicação (Livros LabCom) associada ao Laboratório de Comunicação On-line (www.labcom.ubi.pt) do Departamento de Comunicação e Artes da Universidade da Beira Interior em Portugal.

Como ponto de partida esclarecemos que a comunicação científica (e seus fluxos/sistemas/processos) engloba:

  1. A pesquisa – quando da elaboração de uma investigação, via a comunicação entre os pares (de pesquisador para pesquisador) em todos os níveis;

  2. O sistema, ou seja, a informação que flui de e entre as editoras, bibliotecas, agências de financiamento, dentre outros;

  3. E sociedade em si – quando compartilhamos o conhecimento científico na ótica da comunicação pública da ciência/divulgação científica.

Esses três pilares (“pesquisa”, “sistema” e “sociedade”) já foram citados em outros momentos da história por distintos pesquisados como, por exemplo, o William Garvey da John Hopkins University e o Belver Griffith da American Psychological Association (EUA), para os quais a CC, já em 1979, incluía a “produção, disseminação e uso da informação científica”, ou mesmo, o finlandês Bo-Christer Björk, cujo diagnóstico da CC contemporânea, em 2007, reunia a “performance da pesquisa”, o “financiamento”, a “comunicação dos resultados” e a “aplicação do conhecimento”.

A comunicação científica, em vista disso, é um “tema multifacetado”, como diz Andrew Odlyzko no artigo “The future of scientific communication”, que incorpora um conjunto de processos e variáveis associados às inúmeras teorias, pesquisas e projetos em âmbito global. Para Julie M. Hurd, professora da University of Illinois at Chicago (EUA), por exemplo, a CC apresenta várias interações com diferentes organizações a partir do momento que envolve a produção, organização e disseminação do conhecimento; já a Microsoft Research, que se dedica a pesquisa básica e aplicada em Ciências da Computação e Engenharia de Software, considera o “ciclo de vida da CC” composto por 4 fases (“Data Collection”, “Research & Analysis”; “Authoring; Publication & Dissemination”; e “Storage, Archiving & Preservation”); e o “LiquidPub”, um projeto derivado do Sétimo Programa-Quadro (FP7) – o principal instrumento de financiamento das pesquisas científicas na União Europeia -, encara a CC pela ótica de como “o conhecimento científico é produzido, divulgado, avaliado e consumido”. Essa pluralidade de intervenientes que interagem com a comunicação científica coaduna-se com a contemporaneidade e se junta com a percepção de que o mundo atual está em transição e que é complicado “ignorarmos” tal fato. As novas tecnologias “estão aí” também, disponíveis, atropelando, embaralhando, modificando as estruturas, as dinâmicas da ciência, as formas “de pensar” e, consequentemente, a CC. Estamos imersos, pois, numa sociedade dita “pós-moderna”, rodeados por um ambiente tecnológico e cuja ciência, além da especialização, passa por um processo de “desdogmatização”, ou seja, temos diante de nós um quadro complexo, cheio de referenciais e estudos anteriores e difícil de ser mensurado e, que, nos últimos anos, foi impregnado por uma série de transformações de diversas ordens. E, em meio a isto tudo, direcionamos nosso foco para a comunicação científica que, enquanto objeto, não passa impune a todas essas mudanças – o que torna esse livro a matériaprima para inúmeros outros debates, proposições e reflexões.

Não podemos negar, pela mesma linha, também, com base na literatura publicada, que os investigadores da CC, em síntese, se sustentam em três grandes parâmetros: os que apresentam uma visão arraigada nos princípios do que é ou não “científico” que foi construída ao longo dos últimos 300 anos e, nesse sentido, veem com certa “resistência” a tecnologia como elemento de inovação; os autores que estão no “meio-termo” lançando teorias e suscitando questionamentos e, ainda, um terceiro grupo, no extremo oposto do primeiro, que é totalmente “integrado” ao sistema alinhavando a tecnologia com a comunicação científica na construção de ferramentas, aplicativos, serviços e softwares que suportam esta última, criando, por vezes, sem exclusão, produtos e/ou estruturas novas. Nesta última categoria, podemos incluir, ainda, os “técnicos” ou “tecnólogos”, principalmente, de áreas correlatas como a Computação, que não estão “pensando” ou “realizando” pesquisas específicas em torno da CC e sim desenvolvendo ferramentas com propósitos outros, mas que, de uma forma ou de outra, são incorporadas, por um ou mais ator social, influenciando e/ou modificando o fluxo/sistema da CC em sua totalidade.

Nesse sentido, o grande desafio, do livro como um todo, é de se apropriar de uma “visão holística” da CC que pudesse, a posteriori, sustentar outras pesquisas sem, ao mesmo tempo, ser “generalista” nas proposições que encerram elementos pontuais e/ou locais. A intenção não é, pois, elencar “valores de juízo” ou “hierarquias” dentre e entre quaisquer teorias, comunidades, atores, etc, e, sim, apresentar uma multiplicidade de olhares que podem nos levar a diferentes interpretações – não seguindo, conscientemente e por consequência, exclusivamente, nenhuma corrente teórica. Convém salientar, no entanto, que, quando remetemos a CC ao eixo de análise holístico, encontramos uma pluralidade de matérias e a própria expressão “pluralidade”, por sua vez, esbarra no “relativismo” e seria impensável ou impossível abarcar exatamente todos os vieses, até pelas próprias relações de “tempo” e de “espaço” e suas implicações teóricas, conceituais, etc. Estamos, portanto, também, sujeitos a encontrar pontos de análises que, porventura, serão ignorados, esquecidos e/ou perdidos.

A partir desse cenário e considerando-se, pois, que a CC encerra várias percepções, o primeiro capítulo prima por apresentar e clarificar os pilares principais do fenômeno proporcionando, ao leitor, uma visão geral da área.

Desta feita, a CC pode ser observada a partir de duas feições: uma associada ao desenvolvimento da ciência como um todo e outra que, por vezes, é estampada via as teorias e os modelos que representam a CC ao longo da história e que iremos esmiuçar. Dentre os modelos encontrados na literatura, perpassaremos desde os que são “clássicos” como o de Garvey e Griffith da década de 1970 até o visionário de Hurd para 2020. Quando se analisa a CC e seus modelos não podemos deixar de abordar os atores (investigadores, bibliotecas, editores, sociedades, etc) envolvidos no sistema, seus componentes básicos (a comunicação formal e informal), os elementos associados a “cientificidade” como, por exemplo, a avaliação por pares e os “processos em si” – de prépublicação, publicação, divulgação, dentre outros. Pelo viés histórico, inclusive, esbarramos nas questões conceituais que foram evoluindo ou mudando e que são importantes de serem observadas, pois as interpretações teóricas e as ações empíricas são decorrentes dos conceitos – das ideias e opiniões que fazemos sobre determinada coisa.

Compondo o segundo capítulo, adentraremos na descrição e análise de uma etapa cronológica-histórica de mudanças que, direta ou indiretamente, desestabilizou os alicerces da CC. Tal fase é considerada como um estágio de “transição” entre o sistema tradicional e o que seria a “CC do futuro” (e tudo indica que, em vários aspectos, já “estamos lá” e em outros não) e, nessa conjuntura, abordaremos questões ligadas ao surgimento do computador, a inserção de outras (novas) definições, as mudanças advindas dos impactos das TICs nos periódicos, na comunicação formal e informal, nos atores sociais do sistema da CC, nas disparidades de aceitação e envolvimento com a tecnologia, dentre outros aspectos. As mudanças são, ainda, decorrentes não somente do computador mas, também, da internet e das variações sobre a web (1.0, 2.0, etc) que, em certo sentido, influenciaram algumas iniciativas e movimentos como, no caso, da Open Access Initiative (OAI) e do Movimento de Acesso Aberto (OA).Já o terceiro capítulo irá elencar quais são os novos elementos constituintes, em se tratando, principalmente, da última década, e/ou as tendências que foram – ou serão – acopladas/inseridas na comunicação científica, ocupando-se, nesse sentido, de alguns dos assuntos mais em voga no momento, tais como: “web de dados”, “open data science”, “open annotation”, “slow science”, “overlay journal”, etc, além de contextualizar outros modelos como o da “ciberciência” de Nentwich (2005) e o “global” de Bjork (2007). Estaremos lidando, nesta etapa, com uma série de assuntos (como, as alternativas ao peer review, por exemplo) com o propósito de traçarmos uma paisagem do sistema e dos processos da CC na contemporaneidade e no futuro próximo.

Por fim, apresentamos o capítulo quatro (“considerações finais”) e um apêndice sobre uma possível “re-escritura da comunicação cientifíca” (com base em Gomes, 2012).

Boa Leitura!

Profa. Dra. Cristina Marques Gomes.

Docente do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). e-mail: cristina@usp.br.

Fonte: Livroslabcom