D-Wave entrega novos computadores quânticos para Google, NASA e URSA

Palo Alto, CA – 28 de setembro de 2015 – a D-Wave Systems Inc., primeira empresa de computação quântica do mundo, assinou um novo acordo que abrange a instalação de uma sucessão de sistemas D-Wave localizados no Centro de Pesquisa Ames da NASA em Moffett Field, Califórnia. Este acordo suporta a colaboração entre Google, NASA e USRA (Associação de Universidades de Pesquisa Espacial) que se dedica a estudar como a computação quântica pode avançar a inteligência artificial e aprendizagem de máquina, e a solução de problemas de difícil otimização. O novo acordo permite que o Google e seus parceiros mantenham atualizados os computadores quânticos D-Wave por até sete anos, com novas gerações de sistemas D-Wave a serem instalados na NASA Ames assim que estiverem disponíveis.

Processador Quântico da série Washington de 1000+ Qubits. (Divulgação).

O acordo é a maior encomenda da história da D-Wave, e um indicador da importância da computação quântica e sua evolução em direção na resolução de problemas difíceis até mesmo para os maiores supercomputadores”, disse o CEO da D-Wave Vern Brownell. “Valorizamos muito os compromissos, os quais nossos parceiros assumiram com a D-Wave e nossa tecnologia, estou animado sobre o uso potencial dos nossos sistemas de aprendizado de máquina e problemas de otimização complexos.

Desde 2013, quando o sistema da geração anterior de 500 qubit D-Wave Dois ™ foram instalados na NASA Ames, cientistas da Google, NASA e USRA foram utilizá-los para explorar o potencial da computação quântica e sua aplicabilidade em uma ampla gama de problemas complexos tais como pesquisa na web, o reconhecimento de voz, planejamento e programação, gestão do tráfego aéreo, missões robóticas para outros planetas, e operações de apoio nos centros de controle de missão.

Trabalhar com os processadores D-Wave nos ajuda a desenvolver e aperfeiçoar os modelos de Quantum Annealing (QA – recozimento quântico)”, disse Hartmut Neven, diretor de engenharia da Google e chefe do Laboratório de Inteligência Artificial Quantum. “Estamos ansiosos para os avanços contínuos provenientes de cada geração de sistemas D-Wave.

Por meio de pesquisas na NASA Ames, esperamos demonstrar que a computação quântica de algoritmos quânticos pode algum dia melhorar drasticamente a nossa capacidade de resolver problemas de otimização difíceis para missões no domínio da aeronáutica, da Terra e ciências espaciais e exploração do espaço”, disse Eugene Tu, Diretor do Centro de Pesquisa Ames da NASA. “A disponibilidade de sistemas quânticos cada vez mais poderosos são a chave para alcançar estes objetivos, o trabalho está em andamento com a última tecnologia da D-Wave.

Nossa colaboração com o Google e NASA permite à comunidade universitária acessar as áreas investigativa mais avançadas de computação hoje em dia – a computação quântica”, disse David Bell, Diretor do Instituto de Pesquisa da USRA de Ciência da Computação Avançada. “No USRA, estamos animados para ver a diversidade da pesquisa que resultará em ter universidades e outras organizações de todo o mundo usando e conduzindo a pesquisa em cada geração de sistemas D-Wave.

A instalação do novo sistema D-Wave ™ 2X de 1000 Qubits, foi recentemente concluída e o sistema já está operacional na NASA Ames, um dos principais centros de computação de alto desempenho da atualidade.

Além de escalar para além de 1000 qubits, o novo sistema incorpora outros grandes avanços tecnológicos e científicos. Estes incluem uma temperatura de operação abaixo de 15 millikelvin ou – 273,13 ºC, perto de zero absoluto e 180 vezes mais frios do que o espaço interestelar. Com mais de 128.000 junções em túnel de Josephson, os novos processadores são creditados para serem os supercondutores de circuitos integrados mais complexos já utilizados com sucesso em sistemas de produção. Maior precisão em circuitos de controle e uma redução de 50% no ruído também contribuem para um melhor desempenho e maior confiabilidade.

Consulte também: Quantum Annealing for Clustering (agrupamento do emparelhamento quântico).

Fonte: D-Wave

D-Wave 2 Vesuvius 512 Qubits – A segunda geração de computadores quânticos comerciais

Estamos em plena era da computação quântica e a empresa canadense DWave está comercializando a segunda geração de computadores quânticos. Mas, paira sobre esse aparelho uma dúvida cruel: esses computadores são de fato quânticos? No decorrer do período essa pergunta poderá ser definitivamente respondida. Entretanto, analisando a tecnologia de hoje e o conceito apresentado pela Dwave, somando a isso os resultados de cálculos obtidos por essa máquina em comparação aos computadores convencionais (sendo até 3600 vezes mais rápida – ao executar certos algoritmos), não há como questionar que estamos diante de um computador que pode ser conceituado como quântico.

A escalada da computação quântica em apenas 10 anos segundo a empresa DWave

Evolução dos Computadores D-Wave

DWave1 128 chip
DW1 (Chip Dwave 1 com 128 Qubits), lançado em maio de 2011.

O D-Wave One (DW1) foi lançado em maio de 2011, e usa um Chip de 128 Qubits. Ele é diversas vezes mais rápido que supercomputadores existentes, e foi logo adquirido por laboratórios de pesquisa e empreiteiros do departamento de defesa americano.

Chip D-Wave 2
Chip D-Wave Two com 512 Qubits lançado em maio de 2013.

Por sua vez, o D-Wave Two (DW2) – lançado em 2013 – usa uma matriz de 512 Qubits. Cada qubit é um processador pequeno que explora os efeitos da mecânica quântica. Quanto mais Qubits estiverem conectados entre si, mais ampliados se tornam esses efeitos. Cada qubit do D-Wave Two se comunica diretamente com outros sete Qubits; são blocos que formam uma estrutura de 8 em 8 Qubits. Por causa disso, o DW2 é até 300.000 vezes mais poderoso do que seu antecessor.

  D-Wave2 Disposição dos computadores D-Wave. Pode-se ver que eles ocupam uma sala de 10 m2.

Mas, para tirar vantagem dos efeitos quânticos, o DW2 requer condições extremas e muito específicas. Ele precisa operar a 0,02 Kelvin (-273,13°C), 150 vezes mais frio do que as profundezas do espaço interestelar, em um vácuo cuja pressão atmosférica é 10 bilhões de vezes menor que a normal. Ele ainda precisa de blindagem pesada para se proteger contra interferência magnética. Surpreendentemente, alcançar estas temperaturas consome apenas 15,5 kW e ocupa apenas 10m² de área, em comparação com os milhares de kilowatts e metros quadrados exigidos por supercomputadores tradicionais.

 Capacidade de resolução de problemas

D-Ware2
Chip Quantico D-Wave2, montado na estrutura que será posteriormente criogenada.

Para saber quais problemas o computador quântico resolve melhor, o Google fez o DW2 resolver 400.000 problemas, para então comparar isto aos solucionadores clássicos. Os resultados não apontam um padrão claro; a empresa trará mais detalhes no futuro. No ano passado, o Google, a NASA e a Associação das Universidades para Pesquisa Espacial compraram juntas um DW2. A D-Wave não revela preços, mas a BBC estima que o custo foi de aproximadamente US$ 15 milhões.

Avanços na correção de erros na computação quântica

Novos métodos de correção de erros utilizando os Qubits (bits quânticos) estão sendo aprimorados e no momento podemos obter resultados na casa dos 99,92% de acertos com os novos algoritmos para cálculos quânticos. Acesse o Paper (fragmento de um trabalho publicado) em ARXIV.ORG.

Fonte: Gismodo Brasil

Fonte: BBC Tecnologia

Fonte: Dwave