Criacionismo: A Origem das Espécies Religiosa

O criacionismo é uma farsa que alimenta a ignorância do povo dominado pelas religiões, a ciência está descobrindo cada vez mais evidências contrárias ao criacionismo, tanto dentro quanto fora de nosso planeta.

Discursus: A filosofia e seus meios

O criacionismo é a teoria da origem das espécies animais e vegetais defendida pelas religiões judaica, católica e muçulmana. De acordo as teses criacionistas, cada uma das espécies de seres vivos teria surgido do nada por intermédio de deus. Como justificativa do modo de aparecimento da vida na Terra, os fundamentalistas dessas religiões apelam para crença cega nos mitos e lendas sobre a criação narrados nos Gênesis.
No século XIX, essa doutrina encontrou sustentação por parte de cientistas antievolucionistas do porte do naturalista francês Georges Léopold Chrétien Frédéric Dagobert, o barão Cuvier (1769-1832), fundador da paleontologia, que considerava os fósseis de seres vivos instintos como remanescentes de eras antigas, interrompidas por catástrofes. Hipótese semelhante a de outro geólogo francês, seu discípulo, Alcide d’Orbigny (1802-1857), que identificou 28 ocorrências de desastres naturais que aniquilaram, no passado distante, a vida na superfície do planeta. Eles acreditavam que o dilúvio descrito na

Ver o post original 407 mais palavras

A máquina de Anticítera – o primeiro computador analógico-mecânico construído

O mecanismo de Anticítera é o computador analógico mais antigo conhecido. Foi projetado possivelmente por um grupo de cientistas gregos cujas técnicas foram aprimoradas pelo próprio Arquimedes – 2 séculos antes – sua finalidade era calcular posições astronômicas. Foi descoberto em 1901 na ilha grega de Antikythera, entre Kythera e Creta, foi datado em cerca de 100 AEC.

O que é um computador analógico?

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Mecanismo de Anticítera – primeiro computador analógico-mecânico. (Divulgação).

O computador analógico é uma forma de computador que usa fenômenos elétricos, mecânicos ou hidráulicos para modelar o problema a ser resolvido. Genericamente um computador analógico usa um tipo de grandeza física para representar o comportamento de outro sistema físico ou função matemática. A modelagem de um sistema físico real num computador é chamada de simulação.

Computadores analógicos são normalmente projetados para uma finalidade específica, como acontece em circuitos eletrônicos que implementam sistemas de controle, ou em instrumentos de medição. Os resultados da computação analógica são utilizados dentro do próprio sistema. Existem também computadores analógicos flexíveis, que podem ser facilmente configurados para resolver problemas determinados. A maioria dos computadores analógicos possui uma série de elementos que podem de ser reagrupados para resolver sistemas de equações diferenciais. Podem simular sistemas descritos por equações matemáticas complexas.

O termo analógico se refere ao fato das grandezas físicas contínuas dentro do computador poderem representar diretamente uma grandeza também contínua em um sistema físico real. No caso do computador Grego de Anticítera, sua função era calcular com precisão as fases da lua, posição dos 5 planetas, a chegada dos equinócios e solstícios detectados na época e outras combinações desses elementos. Em contraposição, num computador digital todas as grandezas são de estados elementares e de tempo discreto (dentro de limites pré-estabelecidos), e a representação de variáveis de sistemas físicos seria, portanto, menos direta do que em computadores analógicos.

Computadores analógicos também podem verdadeiramente emular o funcionamento de um sistema físico, fazendo um mapeamento biunívoco entre todas as variáveis do sistema e todas as variáveis operadas pelo computador.

A engenhosidade do computador Grego de 2100 anos

O mecanismo de Anticítera incorporaria a razão astronômica de 254/19, o que é uma aproximação excelente do valor real, irracional, com erro aproximado de apenas uma parte em 86.000. Várias explicações podem ser imaginadas para que os gregos antigos tenham chegado a tal valor, a mais coerente sugere que ao observar e mesmo compilar tabelas astronômicas eles possam ter percebido o ciclo de 19 anos de equinócios, solstícios e fases da Lua. Dezenove anos equivalem a aproximadamente 235 ciclos de fases da Lua, que por sua vez equivalem a 235 + 19 = 254 revoluções da Lua em relação às estrelas, sendo a adição derivada do fato de que há uma revolução a mais por ano enquanto a Lua gira conosco ao redor do Sol.

Aplicar a razão de 254/19 com engrenagens não é tarefa fácil, e aqui entra o notável aspecto tecnológico do mecanismo. Com engrenagens simples de eixo fixo, por mais complexos os arranjos que possamos definir, ficamos limitados a multiplicações e divisões de números. Para efetuar adição ou subtração em nosso pequeno computador mecânico, precisamos de um enorme avanço tecnológico: a engrenagem diferencial.

O uso moderno mais cotidiano da engrenagem diferencial é nos automóveis, permitindo que as rodas de cada lado do carro girem a velocidades diferentes, com uma distribuição proporcional da tração do eixo. Um diferencial é, basicamente, uma engrenagem de eixo móvel capaz de girar livremente entre duas outras. O movimento do eixo móvel é equivalente à metade do movimento somado das duas engrenagens em questão. Esta engrenagem diferencial teria sido inventada pelo inglês James Starley, em 1877. É notável como os gregos antigos já tinham essa tecnologia há 2100 anos. Para aqueles que ainda estão na dúvida sobre a tecnologia dos gregos da época, basta dar uma olha no livro: Os elementos – Euclides.

Fontes: Ceticismo Aberto  Bule Voador  Wikipédia

20 Anos de Exoplanetas – Space Today TV Nº 97

Há vinte e cinco anos nenhum planeta fora do Sistema Solar (Exoplaneta) tinha sido detectado. Mas, curiosamente, agora sabemos de milhares e temos estudado muitos com detalhes surpreendentes. Observatórios do ESO no Chile têm estado na vanguarda desta expansão enorme no conhecimento. E seus avançados instrumentos continuam a descobrir e estudar a extraordinária diversidade de exoplanetas.

Olhando para o céu à noite, as pessoas ao longo da história se perguntam se há planetas – E, especialmente, os planetas que ostentam vida – além do Sistema Solar. Os astrônomos também têm feito estas perguntas e muitas mais. São planetas comuns? Ou muito raros? Será que eles se assemelham a planetas do Sistema Solar, ou são totalmente diferentes?
Frustrantemente, até muito recentemente, técnicas de observação não foram avançadas o suficiente para serem capazes de responder a qualquer uma destas perguntas. Mas em 1995, isso mudou totalmente.

O primeiro exoplaneta orbitando uma estrela semelhante ao Sol foi detectado. A descoberta monumental foi feita pelos astrônomos baseados em Genebra Michel Mayor e Didier Queloz em torno da estrela 51 Pegasi. O exoplaneta, chamado 51 Pegasi b, tem cerca de metade da massa de Júpiter e viaja em torno da sua estrela-mãe em pouco mais de quatro dias terrestres. Mas isso foi só o começo.

O gotejamento inicial de descobertas tornou-se uma inundação. Milhares de exoplanetas já foram detectados dentro de uma enorme variedade de tamanhos e órbitas. Muitas dessas descobertas têm sido feitas por observatórios do ESO, no Chile. Mas a busca por exoplanetas é um desafio. Esses mundos alienígenas escondem se nas sombras, apresentando pouca ou nenhuma luz própria. Qualquer luz que eles emitam é ofuscada pelo brilho esmagador de sua estrela-mãe.

No entanto, métodos observacionais avançados podem ser usados para detectar esses exoplanetas indescritíveis. A atração gravitacional fraca de um exoplaneta em órbita faz com que a sua estrela-mãe balance para frente e para trás.

Este minúsculo movimento faz com que ocorrá uma pequena mudança no espectro da estrela, a qual espectrógrafos extremamente sensíveis, como o HARPS do ESO possa detectar através de rastreamento da velocidade radial. o HARPS, está instalado no telescópio de 3,6 metros da ESO no Observatório de La Silla, é caçador de exoplanetas mais importante do mundo. É o descobridor de exoplanetas de pouca massa mais bem sucedido até agora. Em 2010, o instrumento já descobriu o mais rico sistema planetário.

O sistema, está localizado a mais de 120 anos-luz de distância em torno da estrela HD 10180 semelhante ao Sol, contém pelo menos cinco exoplanetas. Também há evidência tentadora de que mais dois planetas podem estar presentes neste sistema, um dos quais teria a menor massa jamais encontrado.

Trânsitos planetários também podem ser utilizados pelos astrônomos para detectar indiretamente mundos distantes. Quando um exoplaneta passa em frente da sua estrela-mãe – como visto a partir da Terra – ele bloqueia uma pequena fração da luz da estrela do nosso ponto de vista. Isto cria uma diminuição no brilho da estrela que pode ser medido.

Além de determinar o tamanho de um exoplaneta, trânsitos planetários podem revelar a composição da atmosfera de um exoplaneta. A atmosfera em torno de um exoplaneta super-Terra foi analisada pela primeira vez por astrônomos usando o Very Large Telescope. O planeta, que é conhecido como GJ 1214b, foi estudado quando ele passou na frente de sua estrela-mãe, a luz da estrela passou através da atmosfera do planeta.

Essa luz estelar revelou que a atmosfera do planeta é principalmente água na forma de vapor, ou é denominada por nuvens espessas ou névoas. Observar diretamente um exoplaneta é um feito monumental, mas o primeiro foi feito pela ESO. O Very Large Telescope obteve a primeira imagem de um planeta fora do Sistema Solar. O 2M1207b é cinco vezes mais massivo do que Júpiter. Ele orbita uma estrela fracassada – uma anã marrom – a uma distância 55 vezes maior que a da Terra ao Sol
Telescópios do ESO estão equipados com instrumentos avançados, mas para manter-se na vanguarda da pesquisa de exoplaneta, ESO recentemente encomendou dois novos instrumentos para o VLT. SPHERE é capaz de encontrar e estudar planetas fracos mascarados pelo brilho de suas estrelas hospedeiras.

Ao longo dos últimos 20 anos, o nosso conhecimento de exoplanets tem avançado de forma dramática. Mas a busca por planetas como a Terra e os que abrigam vida continua a ser uma das grandes fronteiras da astronomia. Estamos sozinhos? Nós não sabemos, mas a resposta está quase ao nosso alcance.

Créditos: Sérgio Sacani

BLOG: http://www.spacetoday.com.br

FACEBOOK: http://www.facebook.com/spacetoday

TWITTER: http://twitter.com/spacetoday1

YOUTUBE: http://www.youtube.com/spacetodaytv

Início – a verdadeira história do universo e provável futuro em 6 minutos

Em “Beginning” (início em inglês), o divulgador científico Hashem AL-ghaili, retrata em apenas 6 minutos, como a ciência descreve o início do universo, da vida e até mesmo como será o fim da terra nos próximos 5 bilhões de anos, onde o nosso Sol passará á fase gigante vermelha e expandirá sua massa até vaporizar nosso planeta terra, até lá, os futuros cidadãos do planeta já estarão morando em outros planetas ao redor de outras estrelas, assim espero.

Créditos: Universo Racionalista

Créditos: Hashem AL-ghaili

Créditos: Facebook Sci-Tech

Belo Planeta Terra HD 1080p

Este é mais um daqueles vídeos que te fazem viajar pelo mundo sem sair de casa, uma combinação magnífica de belas imagens das quais estamos ou não acostumados a ver. Que tal parar um pouco, observar e refletir sobre esse mundão a fora? De vez em quando é bom termos uma pequena viagem para fora desses problemas atuais.

Simplesmente fantástico, assista e compartilhe para divulgar a beleza que ainda resta no nosso planeta.

Fonte: Climatologiageográfica

Planetas Alienígenas – Revelação (Nova-2014)

Sinopse: É uma era dourada para os caçadores de planetas: recentemente, eles descobriram mais de 750 planetas orbitando estrelas, além do nosso Sol. Alguns deles, como um planeta chamado Kepler-22b, podem até mesmo abrigar vida. Como seria essa vida? Combinando animações reveladoras com dados de especialistas em astrobiologia, Alien Planets Revealed, leva os telespectadores em uma jornada de imaginação, conforme “montamos” os alienígenas desde a Terra.

Quais blocos químicos de construção irão compor seu código genético? Como a vida terá começado e como o exótico ambiente de um planeta como o Kepler-22b terá conduzido a evolução? Combinando o poder criativo de animadores veteranos com as descobertas mais recentes na astrobiologia, Alien Planets Revealed, fornece um vislumbre das criaturas que poderíamos, um dia, encontrar além de nosso Sistema Solar.

Fonte: ReVCieN – Revolução Científica

Telescópio Hubble captura pela primeira vez a cor natural de um Exoplaneta

Na quinta feira 11 de julho/2013 cientistas da Nasa divulgaram pela primeira vez a captura da cor original de um planeta extra solar (Exoplaneta). O telescópio espacial Hubble detectou a cor do Exoplaneta HD 189733b, a uma distância de 63 anos luz da terra, na constelação de Vulpecula (a raposa), próximo da estrela HD 189733.

Clique em Play (no quadro abaixo), para ver a animação da localização do Exoplaneta.

azure-blue-exoplanet
Cor natural do exoplaneta HD 189733b (divulgação).

blue-planet-hd-189733b
Localização do exoplaneta HD 189733b (divulgação).

Trata-se de um gigante gasoso quente orbitando de forma travada (não gira no eixo de rotação) em razão de estar muito próximo de sua estrela, cuja temperatura da face clara é de 1000 centígrados e 650 graus na face escura. Sua cor é um profundo azul cobalto em razão de a atmosfera ser formada por silicatos, podendo inclusive chover vidro. Distando apenas 2.9 milhões de quilômetros de sua estrela, com translação completa em apenas 2.2 dias terrestres, isso causa uma temperatura extrema e uma atmosfera com ventos de até 7000 km/h.

Fonte: Space

Existe Vida Além da Terra?

Faça uma viagem espetacular para os lugares distantes do nosso sistema solar, para descobrir onde as formas secretas de vida podem estar ocultas. Combinando as imagens mais recentes do telescópio com animações deslumbrantes, este programa mergulha sua audiência nas paisagens e sons de mundos alienígenas, enquanto os melhores astrobiologistas tentam explicar como esses lugares estão mudando a forma como pensamos sobre o potencial para a vida em nosso sistema solar. Nós costumávamos pensar que nossos planetas vizinhos e luas foram bastante chatos, principalmente frios, rochas mortas onde a vida nunca poderia tomar posse. Hoje, no entanto, o sistema solar parece mais selvagem do que imaginávamos.

Telescópios potentes e missões espaciais não tripuladas têm revelado uma ampla gama de ambientes dinâmicos de atmosferas densas com moléculas orgânicas, vulcões ativos e oceanos de água salgada vastas. Essa revolução em curso está forçando cientistas a expandir as suas ideias sobre que tipos de mundos poderia suportar a vida. Se encontrarmos formas primitivas de vida em outras partes do sistema solar, isso quer disser que muito provavelmente a vida seja comum no universo, a regra, e não a exceção.

Fonte: www.youtube.com

Conheça os planetas extrasolares

O vídeo mostra o lançamento do observatório de planetas Kepler, sua missão é escanear uma minúscula faixa contendo apenas 150.000 estrelas e detectar os planetas em seu redor. Simula quão extremos são os planetas com enormes massas e proximidade de suas estrelas.

A descoberta de Kepler 22-b em uma faixa habitável

Comparativo de Kepler 22b em relação à Terra. (Divulgação)

Os cientistas confirmaram a existência de um planeta semelhante a Terra na “zona habitável” em torno de sua estrela mãe. Kepler 22-b encontra-se cerca de 600 anos-luz de distância e tem cerca de 2,4 vezes o tamanho da Terra, com uma temperatura de cerca de 22 graus Celsius.

Kepler 22-b está 15% mais perto de seu sol do que a Terra está do nosso sol, e seu ano dura cerca de 290 dias. No entanto, a estrela do planeta anfitrião tem cerca de 25% menos luz, mantendo a temperatura do planeta amena o suficiente para apoiar a existência de água líquida.

Até agora, esse é o planeta mais próximo parecido com o nosso – uma “Terra 2.0″. O que os astrônomos ainda não sabem, no entanto, é se Kepler 22-b é feito principalmente de gás, rocha ou líquidos.

Kepler 22-b era um dos 54 candidatos a exoplanetas em zonas habitáveis relatados pela equipe de Kepler em fevereiro, e é apenas o primeiro a ser formalmente confirmado usando outros telescópios. Mais “Terras 2.0″ podem ser confirmadas no futuro, apesar de que uma redefinição dos limites da zona habitável trouxe o número de 54 para 48. 10 deles são do tamanho da Terra.

Durante a conferência em que esse resultado foi anunciado, a equipe de Kepler também disse que avistou 1.094 novos candidatos a planetas. O número total de candidatos encontrados pelo telescópio está agora em 2.326 – dos quais 207 são aproximadamente do tamanho da Terra.

Os resultados sugerem que os planetas que vão desde o tamanho da Terra a cerca de quatro vezes o tamanho da Terra – os chamados “super Terras” – podem ser mais comuns do que se pensava.

O telescópio espacial Kepler foi projetado para olhar para uma faixa fixa do céu, para cerca de 150.000 estrelas. O telescópio é sensível o suficiente para ver quando um planeta passa na frente de sua estrela-mãe, escurecendo um pouco a luz da estrela.

Kepler identifica essas pequenas mudanças na luz das estrelas como candidatos a planetas, que são depois confirmados por observações de outros telescópios em órbita e na Terra.
Conforme os candidatos a planetas semelhantes à Terra são confirmados, a Busca por Inteligência Extraterrestre (Seti, na sigla em inglês) tem um foco mais estreito para sua caça.

“Esta é uma oportunidade excelente para observações”, disse Jill Tarter, do Seti. “Pela primeira vez, podemos apontar nossos telescópios para as estrelas sabendo que elas realmente hospedam sistemas planetários – incluindo pelo menos um que se aproxima da Terra na zona habitável em torno de sua estrela mãe”, completa.

Fonte: Hyperscience

Fonte: Nasa

Robô Curiosity pousa com segurança em Marte e começa a explorar o planeta

Primeiras imagens de Marte são enviadas para a Terra. (Divulgação).

“Temos agora a confirmação de que todas as antenas e canais de comunicação do robô funcionam perfeitamente”, declarou Jennifer Trosper, uma das responsáveis pela missão, em entrevista coletiva em Pasadena (Califórnia)

“Estamos confiantes pelo fato de que agora dispomos de uma grande capacidade de transmissão de dados através de todos os canais, o que era um dos principais objetivos desta primeira parte da missão”.

O mastro da Curiosity, dotado de duas câmeras (Mastcam), que agem como dois olhos do robô, já está em posição, destacou Trosper, prevendo imagens panorâmicas de alta definição e de 360 graus a partir desta quinta-feira, terceiro dia da missão.

A equipe já solucionou o problema que impedia o bom funcionamento dos instrumentos meteorológicos da sonda.

A outra boa notícia é que o gerador nuclear de eletricidade funciona muito bem e “temos mais potência do que esperávamos, o que permitirá maior tempo de funcionamento do robô”, assinalou Jennifer Trosper.

Os dados térmicos mostram que as temperaturas encontradas pela Curiosity são menos frias que o esperado.

A Nasa divulgou novas imagens, uma da sombra do robô e outra da própria sonda, tiradas a partir do mastro.

Uma terceira imagem, parcialmente panorâmica e em preto e branco, mostra uma longa planície coberta de sedimentos com montanhas a distância.

“O que mais surpreende ao ver esta imagem é que, em certa medida, a primeira impressão que temos é que se trata de uma paisagem da Terra”, comentou John Gotzinger, um dos cientistas da missão.

“O que podemos confirmar ao olhar o horizonte é que todos estes materiais na superfície procede de erosão das montanhas por onde circulava água”.

Curiosity se encontra em um ponto de convergência de material provavelmente formado por sedimentos transportados pela água, explicou a Nasa.

A Nasa já divulgou imagens espetaculares da chegada da Curiosity a Marte e fotos aéreas, assim como um vídeo com os últimos minutos da descida do veículo robótico de 900 quilos.

Curiosity está a 12 km da montanha Sharp, de 5.000 metros de altura, no centro da enorme cratera Gale.

Chip Processador do Curiosity é um Risc Power PC

Prompt de entrada do sistema operacional em tempo real do Curiosity. Usa a versão 9.4 da Wind River Systems.


O computador da Curiosity é modesto para os padrões de 2012, mas lembre-se, o projeto foi especificado em 2004 e ninguém investe bilhões de Dólares e aposta em componentes não-testados, recém-chegados ao mercado. Por isso ele usa o confiável RAD750, processador Power PC lançado em 2001. Consome 10W de potência, funciona entre –55 °C e 70 °C, e aguenta brincando uma dose de radiação de 100 mil rads. Quanto vale um rad? Digamos que para humanos a dose letal é de 1000 rads. O preço unitário é de US$200 mil.

O lado ruim das capacidades limitadas dos computares da Curiosity (ela tem dois, um é backup) é que não dá pra enfiar tudo que se precisa. Convenhamos, com uma CPU rodando a 133MHz, com 256KB de EEPROM, 2GB de Flash e 256MB de RAM, pousar em Marte já é um trabalho de gênio (ainda bem que a NASA tem vários na folha).

Receberá atualizações online remotamente

Não é a primeira atualização. A Curiosity, quando era parte do Mars Science Laboratory foi lançada com a versão 9.3, que tinha programas para a parte de lançamento/cruzeiro, pouso, operação de superfície e atualizações de software.

Durante o vôo a NASA atualizou o software para versão 9.4, com programas de cruzeiro, pouso e superfície. A versão 10 também foi enviada e armazenada na Memória Flash, mas só será instalada agora.

Sim, isso que você ouviu. Enquanto donos de Nokia ficam APAVORADOS atualizando a BIOS de seus celulares, a NASA atualiza os computadores de uma sonda interplanetária, em vôo.

Entre 10 e 13 de Agosto a NASA vai bootar o computador primário com a versão nova, rodar diagnósticos. Se tudo estiver OK, atualizará a EEPROM. Então fará o mesmo no processador secundário. Cada conjunto levará dois dias. entre gravar o firmware e realizar os testes exaustivos.

Precisão do pouso em Marte

Mesmo estando a 224 Milhões de quilômetros da Terra, o pouso pode ser considerado muto preciso.

Nada a reclamar da versão 9.4 do software de vôo. Depois de milhões de quilômetros e incontáveis variáveis imprevisíveis, este é o resultado do pouso: O + marca aonde a Curiosity achou que iria pousar, a marca verde foi a previsão da Terra, e o X vermelho marca onde ela realmente pousou.

Dados técnicos da Missão

Distâncias:

Terra à Lua: 384 403km
Equador terrestre: 40 075 km
Terra a Marte (no dia 6-08-2012): 248 000 000 km
Percorrida em toda a missão: 567 000 000 km o equivalente a 1475 vezes a distância da Terra à Lua ou 14 148 voltas à Terra.
Data de lançamento: 26-11-2011
Data de chegada a Marte: 06-08-2012
Duração da viagem: 254 dias
Duração da missão: 687 dias terrestres
Dia na Terra (uma volta no seu eixo): 24h00
Dia em Marte (uma volta no seu eixo): 24h39m

Fonte:www.nasa.gov

Fonte:info.abril.com.br

Fonte:meiobit.com