Arquivo da categoria: Perigo de negar a ciência

Discussão de temas atuais e interessantes.

Saiba o que é o criacionismo e porque de sua negação

O criacionismo é a crença religiosa de que a humanidade, a vida, a terra e o universo são a criação de um agente sobrenatural. No entanto, o termo é mais comumente usado para se referir à rejeição, por motivação religiosa, de certos processos biológicos, particularmente a evolução. Desde o desenvolvimento da ciência evolutiva a partir do século XVIII, vários pontos de vista criados tiveram como objetivo conciliar a ciência com a narrativa de criação do Gênesis. Nessa época, aqueles que mantinham a opinião de que as espécies tinham sido criadas separadamente eram geralmente chamados de “defensores da criação”, mas foram ocasionalmente chamados “criacionistas” em correspondências privadas entre Charles Darwin e seus amigos. À medida que a controvérsia da criação versus evolução se desenvolveu, o termo “anti-evolucionistas” tornou-se mais comum, então, em 1929, nos Estados Unidos, o “criacionismo” tornou-se o primeiro termo especificamente associado com a oposição fundamentalista cristã para a evolução humana e a crença em uma Terra jovem, embora seu uso tenha sido contestado por outros grupos que acreditavam em vários outros conceitos de criação.

Nos vídeos a seguir, o Blogueiro Pírulla25 explica nos mínimos detalhes como essa ideia teve origem e a sua posterior refutação pelas descobertas da ciência.

Fonte: Wikipedia

Fonte: Pirulla25

O perigo da negação da ciência

http://ted.com/talks/view/id/824

O jornalista americano “Michael Specter” nos explica sobre as consequências para a humanidade se houver uma negação ou diminuição das pesquisas em ciência e tecnologia. Caso a ciência não avance nós estaremos sujeitos a todo tipo de desastres biológicos (ataques de vírus como o H1N1), cósmicos (quedas de cometas e asteroides), e até mesmo humanos, como é o caso do esgotamento dos recursos naturais de nosso planeta em decorrência do consumo exagerado das matérias primas.

Fonte:TED