Arquivo da categoria: Educação

Pense com clareza – Lógica e simbologia matemática – Ebooks inclusos

Pensar com clareza não é fácil, a dificuldade principal reside em nossos vieses cognitivos pré-carregados com informações inválidas ou pouco compreendidas a respeito de qualquer assunto. Ex: Deus existe? A resposta não pode vir das religiões e muito menos de seus representantes (há pouca clareza em suas afirmações) então recorremos à cosmologia, física e ciências para darmo-nos a resposta correta: é uma indeterminação que em última análise pode ser resolvida com a anulação lógica da questão via aplicação da fórmula que desenvolvi para limpar nossas redes neurais: {Deus=Null}.

Quando tomamos contato com algum assunto a primeira impressão consiste na utilização do viés cognitivo, uma interpretação que podemos chamar hermenêutica ou senso comum, ao aprimorarmos o foco e conhecimento sobre determinado tema com a utilização de técnicas precisas e melhor elaboradas via aplicação de métodos analíticos: classificação, qualificação e disposição de dados; podemos chamar episteme.
Fiz uma compilação de dados que considero pertinentes aos temas postados e analisados neste blog, o primeiro passo é aprender a reconhecer e posteriormente usar a simbologia lógica e matemática ampla e complexa; segue a lista dos principais símbolos matemáticos e lógicos comumente usados nos assuntos epistemológicos.
Símbolos matemáticos
Símbolo Significado Símbolo Significado
Conjunto de números Naturais 𝛼− Α Alfa
Conjunto de números Inteiros 𝛽− Β Beta
Conjunto de números Racionais 𝛾− Γ Gama
Conjunto de números Reais 𝛿− Δ Delta
Conjunto de números Complexos 𝜀−Ε Épsilon
União de Conjuntos 𝜁− Ζ Zeta
Intersecção de Conjuntos 𝜂− Η Eta
Está contido 𝜃− Θ Teta
Está contido ou É igual a 𝜄− Ι Iota
Não está contido 𝜅− Κ Capa
Contém 𝜆− Λ Lambda
Contém ou É igual a 𝜇− Μ Mu
Não contém 𝜈− Ν Ni
Diferença de Conjuntos 𝜉− Ξ Csi
Pertence 𝜊− Ο Ómicron
Não Pertence 𝜋− Π Pi
[𝑎,𝑏] Intervalo Fechado 𝜌− Ρ
]𝑎,𝑏[ Intervalo Aberto 𝜎− Σ Sigma
{𝑎,𝑏,𝑐} Conjunto de Elementos 𝜏− Τ Tau
∅ ou { } Conjunto Vazio 𝜐− Υ Ípsilon
+ Adição 𝜑− Φ Fi
Subtração 𝜒− Χ Qui
÷ Divisão 𝜓− Ψ Psi
× Multiplicação 𝜔− Ω Ómega
± Mais ou Menos
< Menor que Ângulo
Menor ou igual que Amplitude
> Maior que ° Grau
Maior ou igual que Minuto
Equivalente ’’ Segundo
Implica que Perpendicular a
= Igual a Paralelo a
Diferente de m.d.c. Máximo Divisor Comum
Aproximadamente Igual m.m.c. Mínimo Múltiplo Comum
Idêntico a sin() Seno
Σ Somatório cos() Cosseno
Π Produto tan() Tangente
Integral cot() Cotangente
Gradiente 𝑣⃗ Vetor
E (operador lógico) ‖𝑣⃗‖ Norma
Ou (operador lógico) |𝑥| Valor Absoluto (módulo)
Existe log𝑎() Logaritmo de base a
Não Existe ln() Logaritmo Natural (de base e)
Para Todo log() Logaritmo Decimal (de base 10)
~ Negação 𝑓(𝑥) Função
¬ Negação 𝑓′(𝑥) Função Derivada (primeira derivada)
: Tal Que 𝐷𝑓 Domínio
Então 𝐷′𝑓 Contradomínio
Porque 𝑓−1 Função Inversa
c.q.d. Como Queríamos Demonstrar 𝑓∘𝑔 Função Composta (f após g)
Infinito lim () Limite
Raiz Quadrada 𝑥→𝑎 x Tende para a
Raiz Cúbica 𝜋 Pi, 𝜋=3,14159265359…
! Fatorial 𝑒 Constante de Euler, 𝑒=2,7182…
% Percentagem Φ Número de Ouro, Φ=1,6180…
Permilagem  (x 1000) 𝑖 Unidade Imaginária, 𝑖2=−1
Grau Fahrenheit 𝑅𝑒(z) Parte Real de um Complexo
Grau Celcius 𝐼𝑚(z) Parte Imaginária de um complexo
Null Nulo Baixe este gabarito em => PDF

Como adquirimos conhecimento?

Por intermédio de duas situações

A priori: o conhecimento que não depende da experiência – em tese! Ex: 5 + 5 = 10, uma ideia, espaço e tempo, etc.

A posteriori: o conhecimento que depende da experiência – empírico! Ex: ao perguntar para alguém o que há dentro da caixa sobre a mesa, há duas respostas que dependem da experiência para que seja possível chegar a esse conhecimento: se a caixa for transparente, o sentido da visão será suficiente para essa conclusão, se a caixa não for transparente, é necessário abri-la para saber o que há dentro.
No entendimento de Kant: “no tempo, pois, nenhum conhecimento precede a experiência, todos começam por ela.” demonstrando que todo conhecimento inicia com a experiência, porém não é porque iniciou com a experiência que dela deva depender; “consideraremos, portanto, conhecimento “a priori”, todo aquele que seja adquirido independentemente de qualquer experiência. A ele se opõem os opostos aos empíricos, isto é, àqueles que só o são “a posteriori” – quer dizer – por meio da experiência.”
Desta forma o conhecimento “a priori” faz parte da razão pura, é universal e necessário, por exemplo: o triângulo possui três lados.” Esta frase nos faz entender que em qualquer lugar do universo e sob quaisquer circunstâncias o triângulo possui três lados, assim como: todo corpo possui massa; ou seja, são casos universais e necessários, sendo o que são em qualquer lugar.
Já o conhecimento “a posteriori” é contingente (pode ou não pode ser), pois depende do fenômeno empírico para ser o que é, dependente da experiência e dela é originado, enquanto o conhecimento “a priori” é originado na experiência, mas não dependente dela.
Lembrando que os conhecimentos: “a priori” e “a posteriori” servem apenas para conhecimento das coisas que estão no âmbito da física e não metafísica, e ainda que não possamos conhecer as coisas como são em si, mas apenas como aparecem a nós.
Conclusão: jamais conheceremos o cosmos diretamente como realmente é, obteremos apenas versões aproximadas da realidade física.
Ebooks necessários para o aprimoramento do estudo da matemática básica e lógica
Universidade de Latvia

Introduction to Mathematical Logic
Hyper-textbook for students
by Vilnis Detlovs, Dr. math.,
and Karlis Podnieks, Dr. math.
Institution: University of Latvia
Department: Faculty of Computing, Institute of Mathematics and Computer Science. Obs: clique na imagem para acesso direto ao Ebook em Pdf.

Assuntos importantes que são tratados neste Ebook

WARNING! ATENÇÃO!
In this book, predicate language is used as a synonym of first order language formal theory. Neste livro, linguagem predicada é usada como sinônimo de linguagem de primeira ordem.
Formal theory Teoria formal
As a synonym of formal system, deductive system. Como sinônimo de sistema formal, sistema dedutivo.
Constructive logic Lógica Construtiva
As a synonym of intuitionistic logic. Como sinônimo de lógica intuicionista.
Algorithmically solvable Solvável por meio de algoritmos
As a synonym of recursively solvable. Como sinônimo de recursivamente solvável.
Algorithmically enumerable Enumerável por meio de algoritmos
As a synonym of recursively enumerable. Como sinônimo de numerável recursivamente.
Universidade de Latvia

What is Mathematics Gödel’s Theorem and Around
Hyper-textbook for students
by Karlis Podnieks, Professor
Obs: clique na imagem para acesso direto ao Ebook em Pdf.

Fonte Ebooks: Universidade Latvia
Créditos: Karlis Podnieks Oficina Kantiana

Por que a alfabetização no Brasil é falha? A educadora Magda Becker Soares responde!

A educadora Magda Becker Soares afirma que o sistema educacional no Brasil falha em decorrência não somente da má formação dos professores mas do método utilizado no ensino fundamental que desconsidera o viés cognitivo e foca mais na repetição do assunto ensinado em sala de aula. A essa representação chamamos letramento.

Na falta de melhor compreensão de como o processo de aprendizagem evolui de acordo com a percepção da criança e principalmente com o déficit de percepção dos próprios professores, confundindo o letramento com aprendizagem efetiva, faz as crianças adquirem uma habilidade para reproduzir os elementos da fala e escrita tornando-as deficitárias na parte mais importante: a assimilação cognitiva do conteúdo: significado, construção do pensamento, formulação de perguntas, raciocínio crítico e tradução dos textos.

Não basta apenas ensinar às crianças a copiarem as letras e textos por repetição sem considerar a capacidade de seus cérebros para conjugar o significado das palavras, textos e frases. Se faz necessário desde o início ensinar o conteúdo do texto/contexto e frases apreendidas dentro do cotidiano e realidade onde as crianças estão inseridas. Os professores da educação fundamental precisam receber treinamento em como o cérebro funciona, como os neurônios trabalham para formar as redes neurais e seu impacto na aprendizagem.

Nossos educadores falharam ao se preocuparem apenas em discutir e aplicar métodos, isso causou um enorme estrago na formação dos jovens e adultos de hoje, cuja classificação educacional comparada a outros países nos joga para os últimos lugares.

A falsa percepção da realidade constitui um problema que afeta a maioria dos jovens e adultos em nosso país, uma pesquisa elaborada pelo instituto britânico Ipsos Mori, confirma que o Brasil só perde para a África neste quesito.

Infelizmente o Brasil é um país cuja população pode ser considerada semialfabetizada.

Fontes: Canal Futura www.dwd.com Wikipedia

The Future of Humanity (O futuro da Humanidade) – Com Yuval Noah Harari

Obs: caso a legenda em português não apareça, clique no ícone legenda na área inferior do vídeo para ativá-la, em seguida clique na engrenagem: escolha a opção Legendas e Português(Brasil).

Ao longo da história houve muitas revoluções: na tecnologia, economia, sociedade, política. Mas uma coisa sempre permaneceu constante: a própria humanidade. Ainda temos os mesmos corpos, cérebros e as mesmas mentes que nossos antepassados na China antiga ou na Idade da Pedra. Nossas ferramentas e instituições são muito diferentes das do tempo de Confúcio, mas as estruturas profundas do corpo humano e da mente permanecem as mesmas. No entanto, a próxima grande revolução da história mudará isso. No século XXI, haverá constantes inovações na tecnologia, economia, política. Mas, pela primeira vez na história, a própria humanidade também sofrerá uma revolução radical, não somente em nossa sociedade e economia, mas nossos corpos e mentes serão transformados por novas tecnologias como engenharia genética, nanotecnologia, realidade virtual, realidade expandida e interfaces cérebro-computador. Yuval Noah Harari tem um doutorado em História pela Universidade de Oxford e agora leciona no Departamento de História na Universidade Hebraica em Jerusalém, especializada em História Mundial. Autor do livro Sapiens: Uma Breve História da Humanidade, publicada em 2014, ficou na lista de best-sellers do Sunday Times por mais de seis meses em brochura, foi um dos mais vendidos do New York Times e publicado em quase 40 idiomas no planeta.

Livros do autor disponíveis livremente na internet

Uma breve história da humanidade

Clique na imagem e leia diretamente em Epub.

Homo Deus

Clique na imagem e leia diretamente em Epub.

Baixar outros formatos acesse:

Link Homo Deus
Link Sapiens

Comentários sobre o autor e seus livros no Blog: Fernando Nogueira Costa.

Para leitura de livros digitais em seu Smartphone ou Tablet segue um ótimo app:

Bookari Free Android: Loja Google Play
Bookari Free IOS: Loja Apple Store

Fontes: The Royal InstitutionLê Livros

Como atingir a razão esclarecida sobre nossas crenças, valores e interpretações da realidade!

A interpretação que as religiões fazem sobre o cosmos, sem exceções, está equivocada. Este equívoco é a tentativa de apresentar um subterfúgio (fé?!), via imposição de uma fonte geradora de salvação (ficção – não realidade) ou salvador (fictício – irreal), cuja finalidade é induzir o pensamento humano para algo além da compreensão. Esse além (absurdo) é exatamente onde o conhecimento ainda não chegou, uma metafísica.

Até mesmo dentro da física encontramos limites que não podem ser excedidos, ex: não sabemos o que há dentro dos buracos negros, não sabemos como é a física no interior de uma singularidade. A metafísica tenta explicar o que nem mesmo a física consegue, neste caso, é fácil cair nos absurdos.

E se perguntarmos o que é o conhecimento? É a aproximação de nossas crenças, conceitos e proposições com as razões sobre o mundo ao nosso redor!

Neste exato momento chegamos no ponto {.} ou origem de nossas dúvidas com relação ao que pode ser conhecido. No substantivo conhecimento temos dois elementos básicos: o sujeito (cognoscente) e o objeto (cognoscível); o cognoscente é o indivíduo capaz de adquirir conhecimento ou possui a capacidade de conhecer, o cognoscível é o que se pode conhecer.

E o que é uma verdade? É a junção de nossas crenças, proposições, opiniões, etc., com a realidade! Uma verdade é uma justificativa aceitável, uma prova, razão; como síntese podemos chamar de existência.

E ao perguntarmos: existe uma verdade absoluta, superior? A resposta é não! Não existe! Isso é falácia; a razão é simples: existem conjugados verdadeiro/falso que não podem ser atribuídos a uma única partícula representativa no universo de nosso discurso.

Usamos o que chamamos de hermenêutica para interpretar/qualificar (múltiplas versões) o mundo ao nosso redor, mas é com o auxílio da episteme (conhecimento da natureza), que se torna possível a compreensão elaborada dessas coisas. Para ir a fundo, precisamos saber que a distinção: “a priori/a posteriori é epistemológica”, “analítica/sintética” é linguística e “necessário/contingente” é metafísica. Estas são as proposições apresentadas, vamos colocá-las em confronto com as religiões.

As religiões afirmam: existe uma verdade absoluta = Deus!

Afirmam que o cosmos teve origem ou princípio nessa ideia – afirmam ainda – essa verdade absoluta pode ser atingida lendo um livro chamado bíblia, por meio da fé (vendar os olhos e seguir o rumo dos acontecimentos). O que todas as religiões e seus praticantes não sabem é que a base desse conhecimento é apenas hermenêutica (versões da mesma interpretação – certo/errado, bem/mal, verdadeiro/falso), proposições cujas fontes ou origens são redundantes e arbitrárias.

Mas isso é um equívoco monumental, é impossível existir uma verdade que se sobreponha a todas as outras – não há verdade máxima, nem verdade absoluta -; por conseguinte, é impossível chegar no conhecimento do que chamamos Deus!

No confronto do que sabemos ou podemos aprender, obtemos múltiplas respostas, múltiplas afirmações/negações = múltiplas interpretações!

Deus é uma ideia que foi posta em um livro: a bíblia e depois abduzida (imposta) na memória das pessoas no decorrer de milênios, cujo objetivo é induzir todo tipo de afirmações equivocadas a partir apenas de uma ideia (redundância/tautologia), na tentativa de conduzir as pessoas para uma condição moral arbitrária (servindo como fundamento para as castas manterem a dominação sobre os menos favorecidos, ex: igrejas, seitas, credos, etc.) e contrária à razão esclarecida. Como não existe uma verdade absoluta, o resultado é um vazio { }, redundante e sem meios de evoluir para uma condição posterior e natural, isso causa todo tipo de abuso doutrinário/opressor sobre aqueles cuja educação não foi capaz o suficiente de torna-los imunes a essa pseudo-verdade!

Escrevi uma fórmula para anular essa ideia e voltar o pensamento ao estado puro e livre: {Deus=Null}. Uma fórmula básica cujo objetivo é limpar a memória desse vírus que gera redundância e sofrimento para as pessoas menos esclarecidas.

Referências: Wikipedia, dicionário online português

 

Métodos de Análise Econômica 2016

Métodos e Instrumentos de análise de conjuntura econômica. Indicadores de instituições nacionais e multilaterais. Conhecimento de fontes de informações e uso de banco de dados. Busca da simplicidade em complexidade de grandes planilhas Excel. Apresentação em PowerPoint dos resultados de pesquisas empíricas: organização conceitual de dados e informações….

Cidadania & Cultura

UnicampUNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Instituto de Economia

CE-542 – MÉTODOS DE ANÁLISE ECONÔMICA V

2º semestre de 2016

Prof. Dr. Fernando Nogueira da Costa

Ementa: Métodos e Instrumentos de análise de conjuntura econômica. Indicadores de instituições nacionais e multilaterais. Conhecimento de fontes de informações e uso de banco de dados. Busca da simplicidade em complexidade de grandes planilhas Excel. Apresentação em PowerPoint dos resultados de pesquisas empíricas: organização conceitual de dados e informações.

Horário: segunda-feira e quarta-feira no mesmo horário (8:00-10:00). Reservada a Sala IE-12.

Bibliografia:

Fernando Nogueira da Costa – Ensino e Pesquisa em Economia

TDIE 261 Economia Interdisciplinar

TDIE 263 Arte da Economia

Fernando Nogueira da Costa – Formação do Economista no Brasil Contemporâneo

Programa:

PARTE I: MÉTODOS E INSTRUMENTOS DE ANÁLISE DE CONJUNTURA ECONÔMICA

Ver o post original 1.740 mais palavras

Requiem for the American Dream (O fim do sonho americano) – Noam Chomsky

Neste importante documentário apresentado por um dos mais aclamados intelectuais de nosso tempo “Noam Chomsky“, relata como a riqueza e influência se concentraram nas mãos de poucos nos Estados Unidos. (Legenda: Português).

Obs: também pode ser assistido no Netflix.

OS DEZ PRINCÍPIOS DA CONCENTRAÇÃO DE RIQUEZA E PODER

  1. Reduzir a Democracia
  2. Moldar a ideologia
  3. Redesenhar a economia
  4. Deslocar o fardo de sustentar a sociedade para os pobres e classe média
  5. Atacar a solidariedade
  6. Controlar os reguladores
  7. Controlar as eleições
  8. Manter a ralé na linha
  9. Fabricar consensos e criar consumidores
  10. Marginalizar a população

Créditos: Vimeo

O Bom Livro de A. C. Grayling – uma bíblia sem Deus

O bom Livro

Clique na imagem para baixar no formato Epub (divulgação).

A. C. Grayling, professor de filosofia da Universidade de Londres, escreveu “O Bom Livro: Uma Bíblia Secular, pode ser baixado ao clicar na capa do mesmo ao lado, é uma coletânea de textos escritos pelos maiores pensadores e intelectuais da humanidade, tais como: Demóstenes, Confúcio, Aristóteles, Isaac Newton e, não podia faltar, Charles Darwin. Assim como na bíblia cristã, a obra de Grayling começa no Gênesis e segue para Lamentações e Provérbios, tudo organizado em capítulos e versos.

“A estrutura bíblica é convidativa e acessível. O leitor pode escolher trechos ou seções para ler separadamente”, diz o autor.

Porém, nas 591 páginas da obra de Grayling não há sequer uma menção à palavra “Deus” ou qualquer outra referência divina. O autor acredita que há pensamentos profundos e sérios sobre o bem nas grandes tradições não-religiosas que seriam mais humanos e vivíveis — sem estar sob o comando de uma autoridade.

OS 10 MANDAMENTOS ATEUS

1. Ame bem
2. Busque o bem em todas as coisas
3. Não faça mal aos outros
4. Pense por si mesmo
5. Assuma responsabilidade
6. Respeite a natureza
7. Faça o seu melhor
8. Seja informado
9. Seja bondoso
10. Seja corajoso – ao menos tente sinceramente

O bom livro foi escrito com base em mais de mil textos, de várias centenas de autores, e também coleções e tradições anônimas, dentre os mais usados:

Albulfazl, Ésquilo, Anacreonte, Antístenes, antologia grega, Aristóteles, Aurélio, Bacon, Baudelaire, Bayle, Bantham, Beyle, Boyle, Buonarotti, Carvaka, Catão, Catulo, Chaucer, Chesterfield, Cícero, Clemens, Condillac, Condorcet, Confúcio, Constant, Chowley, Cowper, Cui Hao, d’Alembert, Darwin, Demóstenes, d’Holbach, Diderot, Dryden, Du Fu, Emerson, Epiteto, Epicuro, Eurípides, folclore, Gellius, Godwin, Goethe, Grayling, Hafiz, Harrington, Hazlitt, Heródoto, Herrick, Hobbes, Homero, Horácio, Hume, Huxley, Jefferson, Jonson, Juvenal, Kant, Kautilya, Lao Zi, lendas, Libai, Liu Yuxi, Locke, Lovelace, Lucrécio, Lysias, Maquiavel, Marmontel, Marcial, Menandro, Mêncio, Mill, Milton, Montaigne, Montesquieu, Mozi, Névio, Nerval, Newton, Nietzsche, Ovídio, Paine, Pater, Petrarco, Platão, Plínio, Plutarco, Políbio, Propércio, Rimbaud, Rousseau, Rumi, Sainte-Beuve, Salústio, Safo, Schiller, Schopenhauer, Sêneca, Shaftesbury, Shangguan Yi, Shi Jing, Sófocles, Spinoza, Suetônio, Sully-Prudhomme, Sun Tzu, Swift, Tácito, Terêncio, Thomson, tradições, Tucídides, Tibulo, Turgot, Valery, Vergílio, Verlaine, Voltaire, Walpole, Wang Bo, Wang Wei, Xenofonte, Zhu Xi

Fonte: Lê Livros

Fonte: Galileo